Marketing de conteúdo interruptivo?

Marketing de conteúdo interruptivo (3)

marketing digital, em seu início, repetia, à sua maneira, o conceito aplicado nas mídias convencionais, com anúncios e banners que interrompiam a navegação do usuário, como as propagandas na TV.

Nada mais natural que uma mídia nova busque reproduzir a lógica de outras já consolidadas há tempos.

Mas a internet é um território livre. Queremos decidir quando, como e onde vamos acessar o conteúdo e não queremos ser interrompidos nesse momento.

E logo foi percebido que esse velho conceito não cabia para o novo marketing. Aí que entra o inbound marketing, com o marketing de conteúdo como estratégia para os meios digitais.

MARKETING DE CONTEÚDO INTERRUPTIVO: VALE A PENA? 

Marketing de conteúdo interruptivo (2)

Uma das principais características do uso de conteúdo no marketing é que não é ele que vai atrás das pessoas, mas o contrário.

Assim as empresas disponibilizam conteúdos interessantes e relevantes ao seu público-alvo que, por sua vez, acessa buscando resolver suas necessidades e dores, nascendo uma relação de confiança entre marca e público.

Essa estratégia também se destaca por respeitar as escolhas individuais, além de sua alta efetividade e pouca rejeição.

Mas parece que algumas plataformas de mídias sociais estão retrocedendo. Já há algum tempo o YouTube tem seus anúncios pagos que interrompem a navegação de vídeo das pessoas. E, mais recentemente, o formato foi adotado pelo Facebook e Instagram.

E o pior: nem sempre essa propaganda está relacionada com o assunto original.

A medida foi implementada para cumprir dois objetivos principais para a controladora das redes sociais.

A primeira é contar com outras fontes de receitas de anúncios para além dos Ads já existentes.

O segundo, mais ambicioso, é atrair produtores de conteúdo em vídeo, de forma a tornarem-se os principais canais desse tipo.

Para isso, o Facebook e o Instagram disponibilizarão 45% e 55%, respectivamente, da verba dos anunciantes aos produtores que autorizarem publicidade em seus vídeos.

Mas essa ação pode prejudicar as marcas, com a rejeição do público.

A invasão da publicidade paga que interrompe a navegação levou ao crescimento do uso do Adblock, extensão de alguns navegadores.

O uso desse recurso, em 2016, atingiu 15% dos usuários de internet no Brasil, segundo dados do Instituto Verificador de Comunicação (IVC).

E esse número tende a crescer nos próximos anos.

Os usuários querem saber apenas do conteúdo que interessa a eles, decidir o que querem consumir, e não serem obrigados a ver uma propaganda que não pode pular, nem que as marcas empurrem seus produtos.

A princípio, a veiculação de publicidade paga em vídeos do Facebook e Instagram parece ser um grande tiro no pé e tende a gerar rejeição tanto aos anunciantes quanto aos produtores de conteúdo que autorizarem a veiculação.

É como se voltássemos ao passado com essa prática, que ressuscita o velho marketing e desconsidera o principal na web dos tempos modernos:

A experiência do usuário.

Essa proposta vai de encontro com a ideia do inbound marketing.

Vivemos de imediatismo e não queremos esperar nem 5 segundos de propaganda para ver um vídeo.

Então é preciso pensar o novo. A produção de conteúdo original, de qualidade e relevante e personalizado que sana as dores do público-alvo ainda é esse novo. E permite às pessoas fazerem suas escolhas sobre a decisão de compra e sobre suas necessidades. Além da construção de relacionamentos que vão além da compra e venda.

Gostou? Compartilhe nas suas redes sociais! Ficou alguma dúvida? Deixe um comentário, nós vamos responder mais rápido que a Millenium Falcon!

Que a força esteja com você!

Postado por: Cento e Vinte  | www.centoevinte.com.br

No Comments

Give a Reply

© Todos os Direitos Reservados à Cento e Vinte - Conversão Digital - 2017.